Impactos de uma taxação ambiental sobre a demanda no transporte aéreo brasileiro

Carolina Barbosa Resende, Alessandro Vinícius Marques de Oliveira

Resumo


Nos últimos anos, o tema das emissões de gases do efeito estufa e seus efeitos potencialmente danosos sobre o planeta entrou definitivamente na pauta de governos ao redor do mundo, com destaque aos encontros internacionais realizados que visaram acordar entre os países formas de equacionar o problema. Em se tratando de aeronaves, sabese que a queima do combustível as tornam fontes emissoras importantes de tais gases. Sabe-se que a taxação das passagens aéreas, por afetar diretamente a geração de viagens aéreas, tem potencial de atuar como instrumento arrefecedor de demanda e, por decorrência, do número de viagens e voos e, em última instância, do consumo de combustível. O presente trabalho visa quantificar essa relação, simulando a inserção de um imposto ambiental sobre o preço do querosene de aviação e seu impacto indireto sobre a demanda por transporte aéreo. Estimou-se, utilizando modelagem econométrica, que a demanda cairia frente a um aumento nos preços decorrente do imposto, mas que a reação ocorre de forma assimétrica conforme o mercado. Observou-se que rotas com perfil mais turísticos sofreriam uma redução de 6,06% para uma taxa de 10EUR, enquanto uma rota com perfil mais corporativo sofreria queda de 2,35% para mesma taxa.


Palavras-chave


Econometria, Demanda por Transporte Aéreo, Emissões de Aeronaves.

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, M. S. (2010). Europe’s experience with carbon-energy taxation. Sapiens, v. 3, n. 2, p. 1-11. Disponivel em: .

Angrist, J. D. e J. S. Pischke (2008). Mostly harmless econometrics. United Kingdom: Princeton University Press.

Betiolo, C. R.; G. C. Rocha e P. R. de C. Machado (2009). Iniciativas da aviação para a redução de emissões de CO2. SIMPÓSIO DE TRANSPORTE AÉREO, 8., 2009. Anais… São Paulo, p. 401-409.

Bosquet, B. (2000). Environmental tax reform: does it work? a survey of the empirical evidence. Ecological Economics, v. 34, p. 19-32. DOI: 10.1016/S0921-8009(00)00173-7

Brouwer, R.; L. Brander e P. Van Beukering (2008). A convenient trut: air travel passengers willingness to pay to offset their CO2 emissions. Climate Change, v. 90, p. 299-313. DOI: 10.1007/s10584-008-9414-0

EUROSTAT (2013). Manuals and guidelines: environmental taxes: a statistical guide. Luxemburg: European Union, DOI:10.2785/47492

Grampella, M.; G. Martini; D. Scotti e G. Zambon (2016). The factors affecting pollution and noise environmental costs of the current aircraft fleet: an econometric analysis. Transportation Research Part A, v. 92, p. 310-325. DOI: 10.1016/j.tra.2016.06.013

Greene, W. H. (2007). Econometric analysis. 6. d. New Jersey: Pearson.

Hausman, J. A. (1996). Valuation of new goods under perfect and imperfect competition. In: Bresnahan, T. F. e R. J. Gordon (eds.) The economics of new goods. Chicago, IL, USA: University of Chicago Press. DOI: 10.3386/w4970

Hofer, C.; M. E. Dresner e R. J. Windle (2010). The environmental effects of airline carbon emissions taxation in the US. Trans-portation Research Part D, v. 15, p. 37-45. DOI: 10.1016/j.trd.2009.07.001

Hofer, C.; R. J. Windle e M. E. Dresner (2008). Price premiums and low cost carrier competition. Transportation Research Part E, v. 44, p. 864-882. DOI: 10.1016/j.tre.2007.03.004

Iannone, K. (2011). Green Skies: effects of environmental taxation on the u.s. domestic airline industry. 2011. 48 p. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) – Boston College, Boston, MA, USA. Disponível em: .

ICAO (2016). Carbon emissions calculator methodology. 2016, v. 9, 37p.

Jou, R. e T. Chen (2015). Willingness to pay of air passengers for carbon-offset. Sustainability, v. 7, p. 3071-3085. DOI: 10.3390/su703307

Motta, M. (2004). Market definition, and the assessment of market power. In: _____. Competition policy: theory and practice. United Kingdom: Cambridge University Press,

Oliveira, A.V. M. de; N. S. Ferreira e L. H. Salgado (2011). Liberalização econômica do transporte aéreo no Brasil: um estudo empírico dos dez primeiros anos. Transportes, v. 19, n. 3, p. 62-74. DOI: 10.14295/transportes.v19i3.369

Pavão, H. G. (1997). O gás carbônico atmosférico: variações e influência das queimadas em várias regiões do Brasil. Revista Brasileira de Geofísica, v. 15, n. 3, p. 311. DOI: 10.1590/S0102-261X1997000300011

Silva, R. W. da C. e B. L. Paula (2009). Causa do aquecimento global: antropogênica versus natural. Terra e Didática, v. 5, n. 1, p. 42-49. Disponível em: .

Simões, A. F. e R. Schaeffer (2005). The brazilian air transportation sector in the context of global climate change: co2 emis-sions and mitigation alternatives. Energy Conversion and Management, v. 46, p. 501-513. DOI:

1016/j.enconman.2004.06.017

Wilhelm, D. (2015). Optimal bandwidth selection for robust generalized method of moments estimation. Econometric Theory, v. 31, n. 5, p. 1054-1077. DOI: 10.1017/S026646661400067X

Williams, R. C. (2002). Environmental tax interactions when pollution affects health or productivity. Journal of Environmental Economics and Management, v. 44, p. 261-270. DOI: 10.1006/jeem.2001.1237

Wooldridge, J. M. (2013). Introductory econometrics: a modern approach. 5. ed. Mason, OH: South-Western.




DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v25i2.1271

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 Carolina Barbosa Resende, Alessandro Vinícius Marques de Oliveira

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.