Impactos de uma taxação ambiental sobre a demanda no transporte aéreo brasileiro

Carolina Barbosa Resende, Alessandro Vinícius Marques de Oliveira

Resumo


Nos últimos anos, o tema das emissões de gases do efeito estufa e seus efeitos potencialmente danosos sobre o planeta entrou definitivamente na pauta de governos ao redor do mundo, com destaque aos encontros internacionais realizados que visaram acordar entre os países formas de equacionar o problema. Em se tratando de aeronaves, sabese que a queima do combustível as tornam fontes emissoras importantes de tais gases. Sabe-se que a taxação das passagens aéreas, por afetar diretamente a geração de viagens aéreas, tem potencial de atuar como instrumento arrefecedor de demanda e, por decorrência, do número de viagens e voos e, em última instância, do consumo de combustível. O presente trabalho visa quantificar essa relação, simulando a inserção de um imposto ambiental sobre o preço do querosene de aviação e seu impacto indireto sobre a demanda por transporte aéreo. Estimou-se, utilizando modelagem econométrica, que a demanda cairia frente a um aumento nos preços decorrente do imposto, mas que a reação ocorre de forma assimétrica conforme o mercado. Observou-se que rotas com perfil mais turísticos sofreriam uma redução de 6,06% para uma taxa de 10EUR, enquanto uma rota com perfil mais corporativo sofreria queda de 2,35% para mesma taxa.


Palavras-chave


Econometria, Demanda por Transporte Aéreo, Emissões de Aeronaves.

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, M. S. (2010). Europe’s experience with carbon-energy taxation. Sapiens, v. 3, n. 2, p. 1-11. Disponivel em: .

Angrist, J. D. e J. S. Pischke (2008). Mostly harmless econometrics. United Kingdom: Princeton University Press.

Betiolo, C. R.; G. C. Rocha e P. R. de C. Machado (2009). Iniciativas da aviação para a redução de emissões de CO2. SIMPÓSIO DE TRANSPORTE AÉREO, 8., 2009. Anais… São Paulo, p. 401-409.

Bosquet, B. (2000). Environmental tax reform: does it work? a survey of the empirical evidence. Ecological Economics, v. 34, p. 19-32. DOI: 10.1016/S0921-8009(00)00173-7

Brouwer, R.; L. Brander e P. Van Beukering (2008). A convenient trut: air travel passengers willingness to pay to offset their CO2 emissions. Climate Change, v. 90, p. 299-313. DOI: 10.1007/s10584-008-9414-0

EUROSTAT (2013). Manuals and guidelines: environmental taxes: a statistical guide. Luxemburg: European Union, DOI:10.2785/47492

Grampella, M.; G. Martini; D. Scotti e G. Zambon (2016). The factors affecting pollution and noise environmental costs of the current aircraft fleet: an econometric analysis. Transportation Research Part A, v. 92, p. 310-325. DOI: 10.1016/j.tra.2016.06.013

Greene, W. H. (2007). Econometric analysis. 6. d. New Jersey: Pearson.

Hausman, J. A. (1996). Valuation of new goods under perfect and imperfect competition. In: Bresnahan, T. F. e R. J. Gordon (eds.) The economics of new goods. Chicago, IL, USA: University of Chicago Press. DOI: 10.3386/w4970

Hofer, C.; M. E. Dresner e R. J. Windle (2010). The environmental effects of airline carbon emissions taxation in the US. Trans-portation Research Part D, v. 15, p. 37-45. DOI: 10.1016/j.trd.2009.07.001

Hofer, C.; R. J. Windle e M. E. Dresner (2008). Price premiums and low cost carrier competition. Transportation Research Part E, v. 44, p. 864-882. DOI: 10.1016/j.tre.2007.03.004

Iannone, K. (2011). Green Skies: effects of environmental taxation on the u.s. domestic airline industry. 2011. 48 p. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) – Boston College, Boston, MA, USA. Disponível em: .

ICAO (2016). Carbon emissions calculator methodology. 2016, v. 9, 37p.

Jou, R. e T. Chen (2015). Willingness to pay of air passengers for carbon-offset. Sustainability, v. 7, p. 3071-3085. DOI: 10.3390/su703307

Motta, M. (2004). Market definition, and the assessment of market power. In: _____. Competition policy: theory and practice. United Kingdom: Cambridge University Press,

Oliveira, A.V. M. de; N. S. Ferreira e L. H. Salgado (2011). Liberalização econômica do transporte aéreo no Brasil: um estudo empírico dos dez primeiros anos. Transportes, v. 19, n. 3, p. 62-74. DOI: 10.14295/transportes.v19i3.369

Pavão, H. G. (1997). O gás carbônico atmosférico: variações e influência das queimadas em várias regiões do Brasil. Revista Brasileira de Geofísica, v. 15, n. 3, p. 311. DOI: 10.1590/S0102-261X1997000300011

Silva, R. W. da C. e B. L. Paula (2009). Causa do aquecimento global: antropogênica versus natural. Terra e Didática, v. 5, n. 1, p. 42-49. Disponível em: .

Simões, A. F. e R. Schaeffer (2005). The brazilian air transportation sector in the context of global climate change: co2 emis-sions and mitigation alternatives. Energy Conversion and Management, v. 46, p. 501-513. DOI:

1016/j.enconman.2004.06.017

Wilhelm, D. (2015). Optimal bandwidth selection for robust generalized method of moments estimation. Econometric Theory, v. 31, n. 5, p. 1054-1077. DOI: 10.1017/S026646661400067X

Williams, R. C. (2002). Environmental tax interactions when pollution affects health or productivity. Journal of Environmental Economics and Management, v. 44, p. 261-270. DOI: 10.1006/jeem.2001.1237

Wooldridge, J. M. (2013). Introductory econometrics: a modern approach. 5. ed. Mason, OH: South-Western.




DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v25i2.1271

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 Carolina Barbosa Resende, Alessandro Vinícius Marques de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.