Uma análise empírica da padronização de frota de companhias aéreas e os efeitos de fatores operacionais

Rodolfo Romboli Narcizo, Alessandro Vinicius Marques de Oliveira

Resumo


O presente trabalho desenvolve um modelo econométrico para avaliar alguns dos fatores determinantes das estratégias de padronização de frota de companhias aéreas. Considera-se a padronização em nível de modelo de aeronave, com controles dos efeitos da padronização de fabricante e de família dos equipamentos de voo. O modelo empírico foi estimado com dados do transporte aéreo brasileiro e utiliza diversas variáveis operacionais, como tamanho e idade médios da frota, fluxo de passageiros por voo e número de destinos servidos. O efeito de fatores de custos operacionais e de demanda são também incorporados ao modelo. Os resultados apontam para uma tendência à maior padronização de frota no Brasil. Entretanto, aumentos nos custos com combustível podem atenuar essa tendência, por induzir uma busca por aeronaves com tecnologia mais avançada e menor consumo energético. Os resultados da pesquisa possuem implicações de políticas corporativas e públicas visando ao estímulo da gestão eficiente e sustentável da frota das companhias aéreas no país ao longo dos próximos anos.

 

 


Palavras-chave


Gerenciamento de frota; Custos com combustível; Inovação tecnológica; Estratégia empresarial; Política ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEAR (2017). Panorama 2016: o setor aéreo em dados e análises. Associação Brasileira de Empresas Aéreas, Brasília.

ANAC (2015) Anuário do transporte aéreo 2014. Agência Nacional de Aviação Civil, Brasília.

Borges Pan, A. G. e R. A. E. Santo Jr (2004) Developing a fleet standardization index for airline pricing. Journal of Air Transpor-tation, v. 9, n. 2, p. 97-110.

Brüggen, A. e L. Klose (2010) How fleet commonality influences low-cost airline operating performance: Empirical evidence. Journal of Air Transport Management, v. 16, n. 6, p. 299-303. DOI: 10.1016/j.jairtraman.2010.02.006.

Flightglobal (2011) Commonality, performance tipped Southwest to 737 Max. Washington, DC, USA.

Kilpi, J. (2007) Fleet composition of commercial jet aircraft 1952–2005: Developments in uniformity and scale. Journal of Air Transport Management, v. 13, n. 2, p. 81-89. DOI: 10.1016/j.jairtraman.2006.10.008

Seristö, H. e A. P. Vepsälainen (1997) Airline cost drivers: cost implications of fleet, routes, and personnel policies. Journal of Air Transport Management, v. 3, n. 1, p. 11-22. DOI: 10.1016/S0969-6997(97)82788-3

Zou, L; C. Yu e M. Dresner (2015) Fleet Standardisation and Airline Performance. Journal of Transport Economics and Policy, v. 49, n. 1, p. 149-166.

Zuidberg, J. (2014) Identifying airline cost economies: An econometric analysis of the factors affecting aircraft operating costs. Journal of Air Transport Management, v. 40, p. 86-95. DOI: 10.1016/j.jairtraman.2014.06.007




DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v26i3.1587

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 Rodolfo Romboli Narcizo, Alessandro Vinicius Marques de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

TRANSPORTES (ISSN: 2237-1346) é uma publicação da ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (www.anpet.org.br)