Considerações sobre o ensaio de retorno elástico por torção para asfaltos modificados

Autores

  • Thiago Hilário da Cruz Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná – Brasil
  • Thiago Seliger Woellner Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná – Brasil
  • Lilian Tais de Gouveia Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná – Brasil https://orcid.org/0000-0002-5543-1321
  • Luciano José Senger Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná – Brasil https://orcid.org/0000-0001-6633-006X

DOI:

https://doi.org/10.14295/transportes.v28i3.1974

Palavras-chave:

Retorno elástico por torção. Asfaltos modificados. Repetibilidade e reprodutibilidade.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar o ensaio de Retorno Elástico por Torção (NLT-329/91) quanto ao tempo de giro da amostra de asfalto e quanto ao controle da temperatura de banho do asfalto durante o retorno elástico, assim como a Repetibilidade e a Reprodutibilidade. O ensaio de Retorno Elástico por Torção avalia a recuperação elástica dos asfaltos e consiste em submeter uma amostra de asfalto à uma torção de 180°, sendo o giro de torção realizado em um intervalo de 3 s a 5 s. O resultado do ensaio é expresso em porcentagem de recuperação elástica, após 30 minutos de retorno elástico. Neste estudo, foram utilizados três tipos de ligantes modificados. Os ensaios foram executados por dois operadores em tempos de giro entre 3 s e 5 s e entre 30 s e 50 s, com e sem controle de temperatura de banho da amostra durante o tempo de retorno elástico. Os resultados mostraram que o tempo de giro influencia os resultados de retorno elástico. Quanto maior o tempo de giro, menor o retorno elástico. A pequena variação da temperatura de banho do asfalto durante o tempo de retorno elástico não influenciou os resultados. No entanto, recomenda-se que a temperatura de banho seja mantida constante. A Repetibilidade, mesmo operador e mesmo equipamento, e Reprodutibilidade do ensaio se mostraram elevadas, ou seja, as diferenças entre resultados replicados por um mesmo operador, assim como as diferenças de resultados replicados entre operadores distintos, apresentaram variabilidade baixa. A variação total foi de 3,5% em relação à média e desvio padrão médio de 2,3.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Tais de Gouveia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná – Brasil

possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, mestrado e doutotado em Engenharia Civil, na área de Transportes pela Universidade de São Paulo. Pós-doutorado (IFSC-USP), do Grupo de pesquisa de Computação Interdisciplinar, atuando nas áreas de Análise de Formas e Imagens e de Artificial. Atua como professora pesquisadora na Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Referências

AUTOMOTIVE INDUSTRY ACTION GROUP (AIAG). Measurement systems analysis Reference Manual. 4ed. Chrysler, Ford, General Motors Supplier Quality Requirements Task Force, 2010.

Al-REFAIE, A. e N. BATA Evaluating measurement and process capabilities by GR&R with four quality measures. Measure-ment: Journal of the International Measurement Confederation, v.43, p.842-851. 2010.DOI: 10.1016/j.measurement.2010.02.016

BATES, R. e R. WORCH Styrene–Butadiene Rubber Latex Modified Asphalt. Engineering Brief No. 39. Federal Aviation Admi-nistration, Washington, DC, 1987.

CENTRO DE ESTUDIOS DE CARRETERAS DEL CEDEX. Norma NLT-329/91, Recuperación Elástica por Torsión de Betunes Asfálticos Modificados. Espanha, 1991.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE – CNT. Transporte rodoviário: por que os pavimentos das rodovias do Brasil não duram? – CNT, Brasília, 2017.

DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO PARANÁ – DER/PR. DER/PR ES-P 28/05. Pavimentação: Concreto Asfáltico Usinado a Quente com Asfalto Borracha. Curitiba, Paraná, 2005.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT. NORMA DNIT 130/2010 – ME. Determinação da recuperação elástica de materiais asfálticos pelo ductilômetro – Método de Ensaio. Rio de Janeiro, 2004.

GARCIA, A. C. e A. G. RIO Number of distinct data categories and gage repeatability and reproducibility. A double (but single) requirement. Measurement: Journal of the International Measurement Confederation, v.46, p.2514-2518, 2013. DOI: 10.1016/j.measurement.2013.04.065

MONTGOMERY, D.C. Introdução ao controle estatístico da qualidade. 4ª. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004.

ONOFRE, F. C.; V. T. F. CASTELO BRANCO; J. B. SOARES e A. L. FAXINA Avaliação do Efeito de Ligantes Asfálticos Modificados na Resistência à Deformação Permanente de Misturas Asfálticas Densas. Transportes, v. 21, n. 3, p. 14-21, 2013. DOI: 10.4237/transportes.v21i3.685

PEDOTT, A. H. e F. S. FOGLIATTO Estudo de repetitividade e reprodutibilidade para dados funcionais. Produção, v.23, p.548-560, 2013. DOI: 10.1590/S0103-65132012005000087

SILVA, L.S.; M. M. C. FORTE; L. P. SPECHT e J. A. CERATTI Polímeros como modificadores asfálticos. Transportes, v. 10, n. 1, p. 84-106, 2002. https://doi.org/10.14295/transportes.v10i1.164

SPIEGEL, M. R. Probabilidade e Estatística. McGraw-Hill, São Paulo, 1978.

YILDIRIM, Y. Polymer Modified Asphalt Binders. Construction and Building Materials, v. 21, n. 1, p. 66-72, 2007. DOI: 10.1016/j.conbuildmat.2005.07.007

WESTERN ELECTRIC COMPANY. Statistical Quality Control Handbook. Easton, Pa.; Mack Printing Company, 1956.

WONNACOTT, T.H. e J. R. WONNACOTT Introductory Statistics. New York. John Wiley & Sons, 1990.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

da Cruz, T. H., Woellner, T. S., de Gouveia, L. T., & Senger, L. J. (2020). Considerações sobre o ensaio de retorno elástico por torção para asfaltos modificados. TRANSPORTES, 28(3), 152–164. https://doi.org/10.14295/transportes.v28i3.1974

Edição

Seção

Artigos